Menu

Desvendando o famoso “networking”

featureddd

Com a postagem de Como Começamos? pude ver nos comentários que recebemos (aqui e no facebook) o quanto tem gente que não sabe como iniciar a temida “auto-promoção”, como aparecer por aí e ser reconhecido. Até brinco no 2Minds Lab que é proibido “shameless-self-promotion” porque o intuito desse grupo não é esse tipo de divulgação, mas não posso dizer que isso é uma regra para todos grupos de ilustração e muito menos para a sua própria página do facebook. Essa será uma postagem longa, meu objetivo é cobrir a maior área de dúvidas que as pessoas tem nos perguntado. Antes de mais nada, tenho obrigação de levantar alguns pontos:

  • Desde antes do 2Minds eu já tentava ser ativa na comunidade artística, sempre tentei participar de grupos, comunidades e o que tinha no meu alcance para “ser vista”.
  • Na época que nós começamos o 2Minds ainda existia o Orkut, então faz bastante tempo que estamos publicando nossos trabalhos.
  • Já fui spammer de grupo de facebook, afinal, entrei em grupos de arte em que só havia publicação de pessoas fazendo o famoso “shameless-self-promotion” então… por que não né?
  • Tudo que está nessa postagem é com base na minha experiência ao longo dos anos, nada é regra e nem escrito em pedra. É um texto completamente opinativo.

Para ser vista eu tinha que me publicar de alguma maneira. Parece bem óbvio falar, mas não é assim que a banda toca. Mesmo não sendo ilustrações que eu considerava muito boas como as dos artistas que eu admirava, tentar estar presente, pedir auxílio de quem está disposto a ajudar e, principalmente, dar a cara a tapa, foram as melhores coisas que já fiz! Comecei a fazer isso enquanto ainda estava na escola/curso de inglês e vi uma amiga que desenhava muito mais do que eu com vergonha de mostrar suas ilustrações. Aquilo me deu um grande desespero por não compreender o porquê daquela criatura talentosa ficava se escondendo atrás da sua pastinha e só mostrando o que fazia para a professora do seu curso de desenho.

Nós, brasileiros, temos um grande problema se queremos competir comercialmente com estrangeiros porque em outros países a ilustração é vista com outros olhos: é uma profissão incentivada e reconhecida! Não tem como comparar, a cultura é outra, o mercado idem…mas com a internet é impossível não pensar nisso – já que essa distância geográfica praticamente não existe. É possível trabalhar como equipe remota e fazer reuniões pelo Skype com empresas em qualquer lugar do mundo. Então…além de praticar infinitamente, temos que lutar para sermos vistos.

Networking não é só chegar em uma convenção e dar o seu cartão. Aqui no Brasil nem temos grandes eventos focados em arte (mas estão chegando aos poucos). O seu próximo diretor de arte pode estar à distância de um clique. Ele pode estar frequentando os mesmos grupos que você e até visitando a sua página no facebook só por curiosidade, então… prepare-se! Vou levantar pontos nesse texto separado por tópicos.

1- Se você é ilustrador, mostre que você é ilustrador! Não existe essa história de “não tenho portfólio”.

É muito comum ver pessoas que já estão terminando a faculdade e nunca se preocuparam em montar um portfólio. Isso é um erro muito crítico se você quer ser contratado ou alcançar freelas. Inúmeras vezes nós (2Minds) não pudemos pegar um job e queríamos passar para amigos que conhecemos o trabalho e adoramos, mas na hora de pedir um portfólio para enviar ao cliente…cadê? Quem em sã consciência vai querer contratar um profissional que não expõe seu trabalho em lugar nenhum? Como ele vai saber que você sabe mesmo desenhar? Qual o seu estilo? Será que as suas cores são boas? Por mais que você tenha uma grande indicação, ilustrador tem que impressionar os olhos. Preciso ser mais literal que isso?

Não existe mais a possibilidade de dizer “mas eu não sei programar”. Hoje em dia é tudo tão automático… Não precisa ter um site próprio super programado e com layout original! Óbvio que isso ajuda a se destacar e que um domínio vai te dar credibilidade e seriedade na hora de enviar um endereço. Mas até mesmo para isso existem boas saídas!

  • Qualquer pessoa pode fazer uma conta gratuita em sites que tem suporte a um layout-portfólio ou simplesmente mais sérios e sem tanta cara de rede social, como por exemplo o Behance, dAPortfolio e ArtStation.
  • Portais com modelo de blog atualmente te dão a oportunidade de instalar layouts super profissionais e fáceis de customizar (e atualizar). Você sabia que o nosso portfólio é do WordPress? 😉 Veja esse aqui da Ursula Dorada que é pelo tumblr!
  • Você é quem você mostra, não deixe de publicar em suas redes sociais um pouco das suas ilustrações. Decore seu facebook e twitter com artes, poste alguns esboços no seu instagram.
  • Use sempre seu nome. Mesmo que tenha um estúdio ou participe de um coletivo de artistas, é importante saber mostrar quem é você! Assine seus trabalhos.
  • Não descarte a opção de pagar pelo serviço de um profissional (webdesigner) para produzir um portfólio excelente para você! Sempre uma opção.

A palavra chave é ser acessível. Deixe sempre seu email visível para ser contactado, tente participar bem em grupos ou comunidades de arte online, é importante que outras pessoas saibam que você exista! Se não quiser misturar a caixa de email pessoal com a profissional, crie um email só para trabalho e por favor com nome simples. Não é legal ter um cartão de visita com email “darkprincess_1990@hotmail.com” não é mesmo? Mas lembre-se de uma coisa…


2- Educação online é muito importante!

Pode parecer bobagem mas sua postura online é muito muito muito importante. Se você é uma pessoa negativa que vive reclamando do trabalho, postando que está infeliz ou falando mal do cliente ou diretor de arte, isso é um graaaande tiro no pé. Hoje em dia o que está na internet é público. É PÚBLICO. Não importa se suas publicações estão com visibilidade apenas para “amigos”, é muito comum você ter nessa lista pessoas que podem vir a trabalhar com você em um futuro próximo e… quem é que vai querer trabalhar com alguém que tenha esse tipo de atitudes? Posso não te conhecer e não saber que você é um ótimo profissional, sabe liderar uma equipe e é muito eficiente! Mas se eu ver atitudes que possam ser prejudiciais no mercado de trabalho, jamais indicarei para nenhum cliente meu. Ética em primeiro lugar.

O mesmo vale para grupos fechados de arte. O mundo de ilustração é um pequeno ovinho onde todo mundo se conhece! Seja educado com outras pessoas, tente não participar de #tretas porque delas nunca sai coisa boa. Lembre-se: sempre vai ter alguém “errado” na internet e é bem possível que alguém que pode vir a trabalhar com você esteja no meio desses grupos.

duty_calls
E a educação vale para quando você quer adicionar pessoas novas também! Ninguém tem obrigação de aceitar uma pessoa “estranha” com 2 amigos em comum. Muitas pessoas (eu inclusive) dão a opção do “seguir” nas redes sociais com publicações públicas, você pode simplesmente clicar nesse botão se não tem interesse em realmente conversar com a pessoa. Mande uma mensagem, explique porque quer adicionar, seja educado. Se a pessoa te aceitou e está aparecendo como “online” no dia seguinte, não significa que ela está 100% do tempo disponível para te ajudar/conversar… E ó, nem todo mundo gosta de dar críticas.


3- Saia da caverna!

Tem algum evento de arte acontecendo na sua cidade? Está com preguiça de ir?? O QUE?? Não pode. Nãopodenãopodenãopodenãopode!

Encontro que organizamos em São Paulo

A internet ajuda mas o ao vivo nunca poderá ser substituído. Aproveite as chances que tem de comparecer em encontros abertos de ilustradores! Nós mesmos já organizamos “Drink&Draw”s em 3 cidades diferentes – que não eram as nossas. Se a sua cidade não tiver um movimento de arte tão forte, por que não organizar um encontrão? Basta procurar pessoas da mesma região (nos grupos, nos grupos!!) e ver se o pessoal quer se juntar para simplesmente bater papo! Esse tipo de encontro é um networking muito poderoso. Tem vergonha de ir sozinho? Leve um amigo! Ou simplesmente marque com alguém do próprio grupo, aposto que muita gente deixa de ir nesses mini-eventos pela mesma razão. E, acredite… ilustradores tendem a ser divertidos!

Uma das pessoas mais importantes para o desenvolvimento da minha carreira, acabei conhecendo em um evento desses – no caso o  encontro aqui do Rio de Janeiro, o Feijão Ilustrado. Essa pessoa é o Bruno Barata! Ele me deu o meu primeiro estágio de verdade, virou um grande amigo e conselheiro, além de parceiro profissional! Atualmente damos palestras juntos, trabalhamos em alguns projetos e estamos sempre mantendo o papo em dia para um ajudar o outro.

bruno

Não deixe de comparecer em grandes eventos e workshops se tiver a oportunidade financeira! Esses locais são muito ricos em informação e pessoas interessadas nos mesmos assuntos que você. Vá nesses locais com um tempo a mais reservado para conversar com o palestrante após o evento, não deixe de tirar suas dúvidas caso ele peça para o público perguntar alguma coisa, tenha sempre em mãos seu cartão de visita e leve um caderno/sketchbook para fazer anotações (alguns esquecerão seus cartões). Esse tipo de investimento é de ouro para a sua carreira. E ah, nem toda palestra é paga! As que nós demos por aqui foram gratuitas mas com número limitado de cadeiras então…esteja sempre atento!


4- “Concorrente? Não podemos ser amigos…”- QUÊ?

Infelizmente ainda é muito comum ver pessoas com essa mentalidade. Se o amiguinho faz a mesma coisa que você, automaticamente a amizade tem que acabar. Meu Deus que coisa burra. Somos uma tribo bem pequena e que, ao invés de nos separar, temos que lutar para nos fortalecer juntos! Deixe eu contar um pequeno segredinho para vocês: EXISTE ESPAÇO PARA TODO MUNDO! O mundo é enorme e os trabalhos são literalmente infinitos. Ao invés de afastar essas pessoas que tem os mesmos objetivos que você, tente ficar próximo delas! Não tem como uma pessoa ter 20 pares de braço e 60 horas por dia para poder abraçar todo trabalho que aparece… Alguns ela pode nem ter interesse e, por mais que conheça outros profissionais, a prioridade na hora de enviar a indicação para o cliente será sempre de quem é amigo/conhecido.

“vou dar meu telefone falso pra esses manés não me acharem….”

Não tenha medo de compartilhar os famosos brushes ou técnicas, cada um tem o seu próprio traço e será reconhecido por isso. Eu por exemplo uso o mesmo brush que vem na instalação do Photoshop, o zé da esquina também – e nossas artes são completamente diferentes. Ninguém vai ser seu clone, é impossível ter esse tipo de competição. Se tiver esse medo, comece a pensar por esse lado: quem copia não se sustenta, o original sempre é destacado. Mas isso é tópico para uma futura postagem.


5- Seja ativo online!

Olha, o mundo de ilustradores é um ovo, todo mundo se conhece mas… Ainda assim é possível se esquecer do trabalho de alguém se essa pessoa não é muito ativa. Ou até do nome dela. Não precisa postar todo dia, é só não deixar a peteca cair! Não tenha medo de publicar esboços ou WIPs, muita gente gosta de ver esse tipo de processo (eu eu eu eu) e tem curiosidade em ver como você produz suas artes. Se achar que não é bom o suficiente e não tem vontade de postar suas artes atuais para todo mundo ver, abuse do potencial dos grupos! Tem TANTA GENTE DISPOSTA a ajudar online… Mas saiba como pedir críticas, nem todo mundo sabe qual é seu objetivo e muito menos tem a obrigação de te ajudar (falo sobre isso nessa postagem aqui!).

Respeite as regras de cada grupo. Nós por exemplo não aceitamos imagens finalizadas no 2Minds Lab, o intuito lá é compartilhar tutoriais, pedir/dar críticas, tirar dúvidas, debater certos tópicos do mercado… Não é um showroom! Existem grupos que permitem e são feitos disso, mas evite o control c control v do mesmo texto e link para sua fanpage porque além de repetir a mesma postagem para as mesmas pessoas (acredite, quase todo mundo está nos mesmos grupos), fica feio quando o facebook mostra que Fulano publicou no grupo X, Y e Z a mesma postagem.  Não está tendo muito feedback? Não ganhou likes o suficiente? Gente, outro grande segredo da humanidade: like não mede habilidade. Essas coisas vem com o tempo e com um ingrediente essencial para ser conhecido, a constância.

MyLike

 

Não se esqueçam que facebook não é a única rede social que existe, nem focado em arte ele é. O deviantArt tem grupos sensacionais como o BrasilArt – que foi aonde conhecemos o trabalho de muita gente talentosa e onde alguns dos concursos mais interessantes de arte são promovidos (além de ser 100%BR). Mergulhe também nas redes sociais direcionadas como o DrawCrowd e CgSociety!

Se está em busca de locais para conseguir jobs, lembre-se de manter sempre seu LinkedIn e Behance atualizados! Você pode ainda não ter fuxicado o suficiente e não descobriu as maravilhas desses dois sites! Ambos tem pesquisa de vagasfreelas! Sem contar que existem muitos diretores de arte ativos nesses locais… Nós já pegamos grandes trabalhos a partir dessas nossas contas, muita gente acessa o nosso trabalho por lá. Ter um portfólio principal com seu domínio e tudo organizado é muito bom, mas não anula a necessidade de se manter ativo em outras redes que já fazem metade do trabalho do networking por você.


Essas são algumas dicas baseadas no que nós praticamos sempre. Comecei o 2Minds já com um plano de lançamento com publicações agendadas em redes sociais, mas já tinha bastante gente na minha lista de contatos por conta do meu perfil no deviantArt, participação em concursos de manipulação de imagem/desenhos no Orkut, e ~pasmem~ fotolog. Parece bobagem, mas sempre tive essa noção de alcançar um “público”! No meu fotolog postava muitas WIPs e desenhos que eu fazia ~no mouse~. É coisa de adolescente que essa geração pode até não ter visto, mas de lá tirei grandes amizades e conheci excelentes profissionais antes deles começarem suas carreiras – como a Baboo do StudioNi e o Renan Porto!

Postando sempre nas nossas redes sociais e tentando interagir com o pessoal que começou a seguir as nossas publicações, conseguimos alcançar números interessantes que provavelmente chamaram atenção (fico orgulhosa de dizer que não precisamos pagar para ter likes). Mesmo não sendo uma rede social focada em arte, o facebook abriu muitas portas de trabalho para nós dois. Através da nossa fanpage chegaram trabalhos para grandes agências e para clientes internacionais. E pode parecer bobo mas até pelo instagram alguns clientes nos acharam, se utilizar o famoso hashtag (#)  corretamente, seu trabalho pode ser bem impulsionado.

Tudo é muito mais fácil do que a alguns anos atrás… temos referências em segundos de busca no Google, alcance de profissionais nas nossas listas de amigos, livros e material didático infinito disponíveis na internet. Às vezes somos muito mimados e não temos noção do potencial que podemos alcançar com direcionamentofoco! Tá todo mundo aí, online.


Luiza